Quando, em 1998, o ‘Não ao Aborto’ venceu o referendo, a artista Paula Rego ficou furiosa (palavras da própria) com o “atraso civilizacional” manifestado pelos portugueses. Paula Rego vivia desde os anos 60 em Inglaterra, ainda assim, ela contribuiu para a legalização do aborto em Portugal. Para ela o aborto envolvia apenas a mulher — enquanto o bebé seria como um tumor maligno que poderia ser extirpado à vontade — e a segurança do procedimento “médico”.

Ainda em 1998, Paula Rego começou a pintar uma série de quadros conhecidos como ‘Pastéis do Aborto’ ou ‘Abortion Series’, nos quais retratar mulheres em situação de aborto clandestino, mas tendo o cuidado de nunca mostrar sangue, porque, segundo a própria, não queria chocar quem via os quadros. Ainda segundo a artista, a pose daquelas mulheres não é de vergonha porque não há que ter vergonha em abortar, é sim uma pose de mulheres confiantes e seguras de si.

Paula Rego contribuiu para a legalização do aborto em Portugal

Terminou de pintar essa série de oito quadros em seis meses e depressa foram exaltados pela comunicação social, que não parou de exigir outro referendo ao aborto até que este fosse legalizado. Os quadros percorreram Portugal de Norte a Sul para tentar “sensibilizar” as pessoas para a necessidade de tornar o aborto legal. E, de facto, aquelas obras e toda a mediatização que as rodeou foi considerada essencial na derrota do ‘Não ao Aborto’, no referendo feito em 2007, e consequente liberalização da matança de bebés.

Esses oito quadros, considerados históricos, foram a leilão, em Londres, no dia 24 de Março de 2002, com base de licitação em 24 mil euros. Receberam zero licitações! Foi um enorme fracasso. Ninguém quis comprar os quadros que, tendo ocultado o sangue no seu exterior, o tinham entranhado no seu interior, assim como as mãos de quem os pintou, pelo contributo na legalização do homicídio de bebés inocentes.

Recentemente, Paula Rego veio manifestar a sua preocupação com o “retrocesso” das leis sobre o aborto e disse considerar grotesco o movimento anti-aborto. Morreu Paula Rego, uma artista que contribuiu para a legalização do aborto em Portugal.

[addthis tool=”addthis_inline_share_toolbox_fn8z”]

SUBSCREVA  A  NEWSLETTER.  REGISTE  O  SEU  APOIO!

Receba um alerta sempre que se publique um novo artigo.

        
    Ao clicar em Enviar aceito a Política de Privacidade e autorizo a recolha dos meus dados para o envio de comunicações da Alternativa Portugal.